Recomendações

(125)
Felipe Soares, Advogado
Felipe Soares
Comentário · há 2 meses
"Dentre os vários pontos em que necessitamos melhorar (no que se refere ao direito penal), está o fim da estigmatização de uma pessoa por praticar (e ser flagrado praticando) uma conduta contrária à lei." - O bem equivale ao mal, o certo equivale ao errado. Niilista.

"Ter praticado um crime não torna a pessoa uma criminosa." - Ter AIDS não me torna aidético. Ter câncer não me torna canceroso. Passar na prova da OAB não faz de mim advogado. E por aí vai. É o quadrado redondo.

"Muitas vezes aquela é a primeira infração. Muitas vezes nem é “bandido”. Pode ter sido apenas a ocasião." - Descriminantes, crimes culposos, crimes de perigo, etc. Fora dessas hipóteses, minguam as propostas para não qualificar fulano ou ciclano como criminoso.

"Vai saber o que aconteceu na vida da pessoa para que ela fizesse o que fez." - Merda acontece na vida de todo mundo. Não é desculpa pra cometer crime.

"Basta a exposição da infração penal para que seja um bandido, ladrão, safado, vagabundo, …" - Chamar sujeito de bandido só porque praticou um crimezinho... onde já se viu uma coisa dessas...

"(...) estamos influenciando diretamente na transformação dela naquilo que afirmamos que ela é?" - É proibido perceber a realidade porque o facínora pode vestir a camisa. Sério, ainda tô esperando um argumento que preste.

"Em vários lugares e momentos ele será lembrado de que é “bandido”." - É só não cometer o crime. Que tal essa ideia?

"A dificuldade/impossibilidade de tirar Certidão Negativa e, consequentemente, conseguir um emprego formal que o diga." - CP, arts. 93/95.

"(...) estudos da criminologia moderna, incluindo aqueles voltados para a psicologia criminal (...)" - Deve ser aquela turma vermelha com a ânsia de arregimentar o lumpenproletariat.

"Quando rotulamos quem é flagrado por uma infração penal, afastamos dele as suas naturais e indispensáveis condições que o torna humano (...)" - Agora é proibido expressar repulsa em face do mal. De novo: niilista.

"Não há divisão." - Ser honesto é igual a ser bandido. Matar é igual a salvar uma vida. Roubar é igual a doar. Sério, já ouviu falar de dissonância cognitiva?

"Como disse, basta uma ação e podemos nos transformar no “outro”" - Pare de misturar a hipótese de erro judiciário com a prática efetiva de crimes.

Um dos piores artigos que já li nesse site. Cheio de um relativismo moral vagabundo, querendo tolher as pessoas indignadas de se expressarem nos termos devidos, tudo sob a pecha de "acabar com os estigmas".
Quer acabar com os estigmas? Cumpre a porra da pena, ajuiza a ação de reabilitação e PÁRA DE COMETER CRIMES.
Agora vem sujeitinho com essa picaretagem de querer relativizar o que é bom e o que é ruim sob o manto de um formalismo barato. BAH!
L
Lucia Red
Comentário · há 2 meses
Perfeito. Acabemos com os rótulos - comecemos por sua apresentação:

"Capixaba, espírita, formado em Direito, atualmente exercendo a função de assessor de juiz de 1º Grau, devidamente inscrito na OAB/ES, atuante e sempre um estudante das áreas jurídicas."

Segundo seu raciocínio, só por que nasceu no Espírito Santo você não é necessariamente um capixaba, nem por praticar o espiritismo é um espírita, nem por que estuda é um estudante; .

É uma hipocrisia sem tamanho que leva a relativizar a realidade, então lemos todos os dias nas mídias: "o suspeito foi preso em flagrante" - como suspeito se pego em flagrante? ou então: "o suspeito confessou o assassinato", ele é sim um assassino confesso.

Não importa que tenha sido por fome, quem rouba é ladrão. Não deixa de ser assassino até mesmo aquele que matou alguém em defesa própria.
Um pedófilo não deixará de molestar crianças só por que agora querem que seja rotulado como doente e não mais como um predador sexual.

E o "rótulo" em nada determina a reincidência ou a ressocialização. A motivação do crime, o julgamento, as punições e as oportunidades oferecidas é que ditarão o futuro do criminoso.

Esse discurso de justificar o crime, nos conduz cada vez mais a impunidade e temos o atual estado de barbárie que vivemos.

Garantir os direitos básicos de um ser humano não equivale a omitir a denominação que o idioma usa para qualificá-lo pelo crime (s) cometido (s).

Se, efetivamente, você acha que os rótulos são prejudiciais use sua energia para acabar aqueles que realmente estão incorretos como a exigência do "Doutor" para quem não tem doutorado ou pior ainda, o V.Ex.ª - tratamento que cria uma casta "especial". Afinal, como você diz, "somos nós" e não "nós x vocês", certo?
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres
Fale agora com Diogo
(41) 99611-10...Ver telefone
(41) 3153-07...Ver telefone
Rua Vicente Geronasso, 1549 - bairro Boa Vista - Curitiba (PR) - 82650230

Diogo Maciel

Rua Vicente Geronasso, 1549 - bairro Boa Vista - Curitiba (PR) - 82650-230

(41) 99611-10...Ver telefone

(41) 3153-07...Ver telefone

Entrar em contato